Início > Artigos, Multiterapia > Como aumentar os seios e a autoestima

Como aumentar os seios e a autoestima

Este artigo foi escrito em 2010, mas o tema ainda é atual e aborda: Caralluma, Commipheroline, fitoestrogenos, Vitaform, Pueraria Mirifica, aumento de seios e, acima de tudo, aumento de autoestima…

Como aumentar os seios (e a autoestima)

Em 2002 passei por uma cirurgia que deveria ser simples mas teve complicações e me fez perder oito quilos de massa muscular. Com isso notei que fiquei com um seio menor que o outro. É uma pequena diferença que nem os médicos que consultei dizem notar (ou importar) mas, para mim, passou a ser motivo de pesquisa (e uso) de todas as novidades anunciadas como eficientes no aumento dos seios.

Foi assim que, depois de experimentar inúmeros recursos, resolvi escrever este artigo. Para anunciar os resultados mas também para relatar fatores muito relevantes que não levamos em conta quando estamos desesperadas em busca de uma melhor aparência.

Iniciei o “tratamento” por via oral, já que é a forma mais acertada (e rápida) de se conseguir efeitos sobre o organismo. Foi quando verifiquei os fitoestrógenos. E percebi que a soja é uma boa fonte deles.

Desandei a ingerir soja em leites e outros alimentos e também em comprimidos, mas depois de muitos meses sem nenhum resultado, comecei a questionar, se a soja realmente tivesse influência no aumento das mamas, as orientais (que as ingerem diariamente) seriam todas “peitudas” e a grande maioria das mulheres orientais tem seios pequenos…

Além disso, pesquisando mais a fundo, descobri alguns inconvenientes da soja ingerida em grande quantidade. A soja contem fitoestrógenos (isoflavonas também chamadas isoflavonóides), que são estrutural e funcionalmente similares ao estradiol (MACKEY & ÉDEN, 1998). A variação estrutural química das isoflavonas é numerosa, e somente a soja contém 3 tipos de isoflavonas com 4 formas isoméricas, totalizando 12 diferentes tipos desse composto. As formas que têm recebido maior atenção nas pesquisas e que têm se mostrado mais ativas no corpo humano são a daidzeína, genisteína e gliciteína (DEWICK, 1994; KANAOKA, 1998; CHANG, 2002 ). Em pesquisas descobriu-se que os japoneses, que comem grandes quantidades de soja têm baixos índices de câncer de seio, útero, cólon e próstata. A partir daí anunciou-se que a soja é um alimento saudável e deve ser ingerido com frequência. Porém um estudo de 2000 mostrou que um homem japonês típico ingere cerca de 8g (duas colheres de sopa) por dia, enquanto que os ocidentais que descobriram o valor da soja acabam consumindo em media 220 g (equivale a um pedaço de tofu e dois copos de leite de soja por dia).

Disso tudo o que precisamos entender é que, segundo estudos. a genisteína e daidzeína contidas na soja estimulam e bloqueiam o hormônio estrógeno, tornando-o um desregulador endócrino natural, isso porque causa efeitos adversos sobre a saúde num organismo intacto. São anunciados outros “efeitos colaterais” no uso exagerado da soja e que não incluirei aqui para não estender demais o assunto, porém um eu preciso citar. Segundo pesquisa realizada no Japão em 1991 mostrou-se que 30g de soja por dia resultam num grande aumento de hormônio estimulante da tireoide. Fitoestrógenos na soja são potentes agentes anti tireoides que causam hipotireoidismo/bócio/câncer da tireoide, entre outros.

Diante dessas descobertas, achei que seria arriscar muito insistir na ingestão da soja, então eu descobri algo que anunciava uma grande eficiência para aumento o busto, os glúteos e ainda fortalecer e escurecer os cabelos. Isso parecia fantástico e merecia ser experimentado já que, apesar de conter os mesmos fitoestrógenos anunciados na soja, eles estavam em quantidades enormes e, realmente, provocavam rápido resultado. Havia o risco de ingestão de fitoestrógenos em excesso mas, se dava tão bons resultados, valeria a pena arriscar…

Imediatamente liguei para minha farmacêutica de confiança e pedi que me fizesse a fórmula mas ela nunca tinha ouvido falar desta tal “Pueraria mirifica”. Confesso que fiquei decepcionada e chateada com a desinformação dela. Como podia ser tão alienada? Como podia desconhecer um produto anunciado como sendo consumido há mais de 280 anos na Tailândia e já tendo sido aprovado em países como Japão, Austrália e Alemanha, entre outros?

Fiz uma busca na Internet e encontrei uma empresa que vendia essas pílulas milagrosas. Fiz o pedido e comecei a esperar a entrega. Ainda estou esperando, mas como só se passaram três anos do meu pedido, creio que ainda chegue um dia… Afinal, a Tailândia é um pouco longe do Brasil onde moro atualmente e demora mesmo… O site saiu do ar e eu não sei onde localizar os “fabricantes” do “comprimido milagroso”.

Mas continuando minha busca por um seio maior, descobri um creme que aumentava os seios em até dois números. Mas que ótimo, creme seria o ideal, já que eu não queria aumentar os dois seios, eu só queria igualar o menor ao maior e viver feliz para sempre.

Esse foi fácil de encontrar, já tinha até pronto e eu ganhei um desconto para o primeiro pedido (porque a moça da farmácia de manipulação disse que eu amaria o produto e ficaria freguesa). Esse chegou rapidamente, em dois dias eu já estava com o creme em mãos. Um cheiro delicioso, nossa, que perfume! Eu passava o creme três vezes por dia e amava o cheiro que ele exalava. A base dele? Commipheroline. A promessa? Aumentar os seios…

Como já disse foi ótimo como perfume, mas como fator de aumento do seio… Também tomei uns comprimidos a base de ervas naturais que não aumentaram os seios mas aumentaram o meu mioma que estava quietinho (estacionado) e, depois do consumo das pílulas reiniciou processo de crescimento…

Foi nesta época que eu mergulhei de cabeça num relacionamento. O cara não comentou nada sobre a diferença no tamanho dos meus seios e eu fiquei bem quietinha. Se ele não notou, não seria eu a apontar meu “defeito“. Passei a me alimentar melhor em horários regulares, a me sentir amada… Acabei até engordando uns quilos a mais do que o ideal. E sabem o que aconteceu? Meus seios começaram a parecer mais iguais em tamanho…

Ta certo que fiquei meio barrigudinha, afinal, engordei o corpo todo mas ao menos, a diferença no tamanho dos seios parou de me incomodar…

Dois anos depois, sozinha novamente, aqui estou eu na internet procurando outro “milagre” para igualar meus seios pois eles parecem (de novo) desiguais… E agora o problema parece pior pois estou com barriguinha saliente também…

Mas isso não é problema já que, para a barriga saliente, já descobriram Caralluma Fimbriata e para os seios aumentarem consideravelmente já chegou ao Brasil a grande descoberta Voluform..

Eu já estava quase fazendo o pedido quando um pensamento invadiu minha mente: Que raio de Psicoterapeuta sou eu? Como conserto rapidamente a vida de todas as mulheres que me procuram com seus traumas, distúrbios, problemas bem mais sérios e reais que os meus e não conserto minha vida?

Não há nada de errado com meus seios, nem com meu abdômen, eu só preciso me aceitar e me amar mais. Assim como a maioria das mulheres só precisam ter mais amor e aceitação pelo seu corpo como um todo e não com uma parte que está maior ou menor em relação aos padrões que se estipulou como sendo “ideais”.

Mas o que é ideal? Ser magra como as manequins que, ao desfilarem pelas passarelas, parecem que terão suas pernas quebradas a qualquer momento de tão finas e equilibradas em saltos imensos? Ter abdômen de tanquinho? Mas você usa o abdômen para lavar roupas? E o bumbum durinho, empinadinho e …

Devemos sim nos preocupar com a boa aparência, isso nos ajuda a ter mais auto-estima e até a produzirmos mais e melhor em todos os sentidos. Mas nunca transformar um padrão anunciado como “ideal” no nosso ideal de vida. É possível ser bela e muito amada tendo uns quilinhos a mais ou a menos, uns defeitinhos que, na maioria das vezes, só nós notamos.

O que importa é sermos seguras, autoconfiantes e sabermos que somos um todo, um corpo integrado a uma mente, temos alma e coração. Somos mulheres por inteiro. E as pessoas vão nos amar (ou não) pelo que somos inteiras e não por uma ou outra parte de nosso corpo. Isso é ter autoestima. E ter autoestima não tem preço…

By Lou de Olivier

Saiba mais sobre temas terapêuticos, acessando: http://multiterapia.med.br/

Leia sobre temas terapêuticos e outros diversos temas publicados em formato e-book e também em livros impressos, acessando: http://loudeolivier.com.br/ 

Saiba mais sobre autoestima, assista estes vídeos – Parte 1

Parte 2

Parte 3

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: