Archive

Archive for the ‘Bullying’ Category

Bullying, nem o básico se sabe (artigo publicado pela Revista Sentidos)

3 de março de 2017 Deixe um comentário

Especialista dá dicas e informações que uma escola deve seguir e conhecer. Atenção aos cuidados que pais e educadores devem ter .

Por Lou de Olivier / Fotos: Shutterstock (ao final, são mostrados vídeos complementares)
bullying_sentidos
Bullying é um termo inglês derivado de bully, que significa algo como “valentão” e define todas as formas de agressões físicas ou psicológicas praticadas de forma contínua e intencional. Estas acontecem, aparentemente, sem motivação e, geralmente, são praticadas por um grupo de “valentões”. Também pode ser praticada por apenas um indivíduo, mas é menos comum. Esse ato de violência acaba por intimidar, além de, em alguns casos, machucar a vítima que geralmente está em situação de desigualdade, sem poder reagir.
No caso específico de deficiência física/intelectual na escola, temos basicamente duas formas de analisar. Primeiramente pelo tipo da instituição – se só recebe alunos com deficiência, esses casos de bullying se tornam mais raros, pois todos os alunos estão no mesmo nível de necessidade. Mesmo variando suas deficiências, estarão sempre em igualdade. O problema principal aparece quando a escola é mista, ou seja, quando uma escola aceita alguns alunos com deficiência em meio aos outros considerados “normais”.

Pessoas com deficiência e a educação pública*
Há 280 mil alunos com deficiência matriculados em escolas especiais de 1ª a 8ª séries.
Há outros 300 mil em classes regulares nessas mesmas séries.
Apenas 9 mil alunos conseguiram chegar ao ensino médio.
Há 18.200 escolas públicas para alunos portadores de necessidades especiais no país.
Somente 120 títulos didáticos têm versão em braile, segundo informações do MEC (Ministério da Educação e Cultura). Segundo o último resumo técnico do Censo Escolar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), em 2011, quase 80% do total de matrículas da Educação Especial estava nas escolas públicas, o restante, quase 20%, estava nas instituições particulares de ensino.
*Segundo o Instituto Ethos (2002)

bullying-sentidos02Vídeos lúdicos e informativos podem
ser exibidos a alunos e familiares
como educação para a prevenção

Neste segundo caso (ou havendo algum episódio de bullying, mesmo sendo uma escola especializada), há uma grande necessidade de a escola, os professores e os pais interagirem de várias formas. Cabe também aos pais, levando em conta suas posses, tipo de deficiência apresentada pelo filho (a), e outros detalhes, pesquisar bem várias escolas antes matricular seu filho (a). Após definida a escola, ao chegar para o primeiro dia de aula, deve-se ter uma atitude cordial com todos, apresentar-se com educação e de forma amistosa.
É preciso mostrar a todos os alunos as qualidades de cada um, de forma educada e incentivadora

Em se tratando de alunos com deficiência, caberá aos professores, coordenadores e outros responsáveis pela escola incentivar apresentações entre os alunos. Caso haja atritos, providências devem ser tomadas imediatamente. Ou com os causadores se desculpando ou, em caso de agressões, denunciando-os aos responsáveis e resolvendo tudo no início, pois, quanto mais o tempo passar, mais as agressões se tornarão frequentes e mais violentas ficarão, cada vez mais difíceis de controlar.

COMO IDENTIFICAR
Para saber se a criança sofre bullying na escola, os pais devem ficar atentos aos sinais da criança em relação a escola. Crianças que alegam dores ou qualquer motivo para justificar não ir à escola podem estar sendo vítimas de bullying. Da mesma forma, crianças que apareçam com alguma marca, arranhões, mordidas, enfim, qualquer sinal que possa sugerir agressões físicas devem ser investigados.

COMO AMENIZAR/EVITAR
Conversar abertamente sobre o assunto com os alunos e pais procurando integrar os alunos com deficiência aos outros; exibir vídeos sobre o assunto. Mostrar a todos os alunos as qualidades de cada um, de forma educada e incentivadora, para que todos entendam que têm qualidades e podem usá-las de forma produtiva e, assim, superando suas possíveis falhas e limitações. Também é aconselhável, ao conversar com os alunos, explicar que não podemos considerar alguém diferente ou “defeituoso” só por apresentar algum tipo de deficiência. Na verdade somos todos diferentes uns dos outros, isso compõe nossa característica particular e nos torna únicos. E se um ou vários coleguinhas apresentam deficiência, é uma ótima oportunidade de demonstrarmos nossa solidariedade, ajudando-o em suas dificuldades e nunca zombando ou tratando-o mal.
De acordo com o tipo de deficiência, deve-se proceder de forma a solucionar os pontos fracos, ou seja, alunos que apresentam problemas no aprendizado podem ser incentivados a ter aulas particulares ou de reforço, que pode ser na própria escola, além de um atendimento psicopedagógico. Casos de deficiência auditiva ou de fala também precisam de acompanhamento, neste caso, de um fonoaudiólogo. Um pouco mais raros, mas também possíveis, são os desvios de conduta, além de traumas e outras ocorrências que precisam ser atendidas por um psicólogo.

Deficiências intelectuais ou doenças mentais precisam do acompanhamento de um psiquiatra ou neurologista e outras deficiências físicas também necessitam de um acompanhamento medico de acordo com cada necessidade.
A escola ideal deve oferecer, no mínimo, os serviços de um Psicopedagogo para atender casos de problemas/distúrbios de aprendizagem, de um Psicólogo para os traumas, desvios de conduta etc. E de um Fonoaudiólogo para casos que envolvam fala/audição. Estes serviços podem ser executados na própria escola ou através de convênios firmados entre os profissionais e a escola. Aqui estamos citando escolas particulares que absorvem alunos com maior poder aquisitivo. No caso de alunos com menor poder aquisitivo cujos pais não têm condições de arcar com as despesas de uma escola particular poderão procurar os serviços públicos oferecidos por intermédio das secretarias municipais. O interessante é a escola pública estar preparada para sugerir os encaminhamentos e saber, de antemão, quais são os canais mais próximos de atendimento.
O bullying ocorre sempre quando não há nenhuma fiscalização de adultos ou responsáveis.

Outro detalhe importante, o bullying ocorre sempre quando não há nenhuma fiscalização de adultos ou responsáveis. Portanto, outro fator importante: deve haver mais fiscalização e profissionais especializados para conduzir os alunos durante os intervalos e mesmo durante as aulas. E é bom saber, também, que a escola pode ser enquadrada no Código de Defesa do Consumidor, pois presta serviço aos consumidores e é responsável por todos os acontecimentos dentro de suas dependências – isso inclui bullying. Mas deve-se lembrar que, ocorrendo fora dos portões da escola, torna-se difícil enquadrá-la, já que foge do local interno. Importante também saber que tanto agressores quanto agredidos necessitam de muito diálogo e acompanhamento terapêutico para solucionar seus traumas e conflitos.

Quanto aos deveres dos Governos
Atribuam a mais alta prioridade política e financeira ao aprimoramento de seus sistemas educacionais no sentido de se tornarem aptos a incluírem todas as crianças, independentemente de suas diferenças ou dificuldades individuais.
Adotem o princípio de educação inclusiva em forma de lei ou de política, matriculando todas as crianças em escolas regulares, a menos que existam fortes razões para agir de outra forma. Desenvolvam projetos de demonstração e encorajem intercâmbios em países que possuam experiências de escolarização inclusiva. Estabeleçam mecanismos participatórios e descentralizados para planejamento, revisão e avaliação de provisão educacional para crianças e adultos com necessidades educacionais especiais. Encorajem e facilitem a participação de pais, comunidades e organizações de pessoas portadoras de deficiências nos processos de planejamento e tomada de decisão concernentes à provisão de serviços para necessidades educacionais especiais. Invistam maiores esforços em estratégias de identificação e intervenção precoces, bem como nos aspectos vocacionais da educação inclusiva.
Garantam que, no contexto de uma mudança sistêmica, programas de treinamento de professores, tanto em serviço como durante a formação, incluam a provisão de educação especial dentro das escolas inclusivas.

 

Assista aos vídeos sobre bullying em entrevista concedida ao Programa Análise Direta em três partes.


SERVIÇO
Assista vídeos sobre bullying e assuntos terapêuticos em:
http://www.loudeolivier.com/videos-entrevistas.php
Leia dados publicados na íntegra em:
Atenção: Este link estava ativo na publicação deste artigo. Hoje, em 2017, na republicação está fora do ar: http://www.ethos.org.br/_uniethos/documents/ manual_pessoas_deficientes.pdf http://portal. mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf 
http://institutoparadigma.org.br 
Livros:
Lou de Olivier é psicóloga, psicopedagoga, psicoterapeuta, especialista em Medicina Comportamental e escreveu os livros “Distúrbios familiares” e “Distúrbios de aprendizagem e de comportamento”, ambos da Editora WAK, indicados como material complementar a este artigo.
%d blogueiros gostam disto: