Archive

Archive for the ‘Lou de Olivier’ Category

A Multiterapia como fator de Autoconhecimento, Autoajuda e Atendimento clínico

20 de junho de 2017 Deixe um comentário

Lou de Olivier tem trazido, desde a década de 80, uma técnica que se renova a cada momento e que tem sido muito eficiente no tratamento de distúrbios de aprendizagem, de comportamento e nos casos leves de estresse e depressão. Mas a Multiterapia não é só eficiente nesses tratamentos. Ela é muito eficiente para o autoconhecimento, autoajuda e crescimento pessoal. É isso que abordaremos neste pequeno artigo.

(DINO) 09/05/2017

Este mergulho em si mesmo e, na sequência, em família, sociedade, meio ambiente, entre outros é dividido em módulos para que fique mais fácil assimilar e passar por todas as etapas de equilíbrio.

Na atualidade são muitas as técnicas utilizadas como terapia. Algumas eficientes, outras nem tanto, outras nada mais são do que técnicas antigas “renomeadas”… Em meio a tudo isso, Lou de Olivier tem trazido, desde a década de 80, uma técnica que se renova a cada momento e que tem sido muito eficiente no tratamento de distúrbios de aprendizagem, de comportamento e nos casos leves de estresse e depressão. Mas a Multiterapia não é só eficiente nesses tratamentos. Ela é muito eficiente para o autoconhecimento, autoajuda e crescimento pessoal. É isso que abordaremos neste pequeno artigo.

Além da grande confusão que se faz com os termos Multidisciplinar e Multiterapia, que já foi amplamente explicado em outros artigos (e que a síntese é: Multidisciplinar são vários profissionais reunidos para atender um único paciente. Multiterapia é um único profissional, extremamente habilitado e apto a tratar cada paciente como único), há nuances da Multiterapia que não são conhecidas pelo público.

Uma delas, talvez a principal, é o fator autoajuda e autoconhecimento que a Multiterapia proporciona a quem participa como paciente e/ou quem cursa como terapeuta ou mesmo como leigo, mas interessado em se aprofundar em si mesmo. Este é um fator importante, na medida em que equilibra o indivíduo de forma total e, na sequência, universal. Este é o grande sucesso do tratamento que faz com que o indivíduo se aprofunde em si mesmo para depois aprofundar-se nos fatores externos.

Este mergulho em si mesmo e, na sequência, em família, sociedade, meio ambiente, entre outros é dividido em módulos para que fique mais fácil assimilar e passar por todas as etapas de equilíbrio.

A Multiterapia parte do princípio que o Terapeuta, para atender pacientes (ou clientes), deve estar em perfeito equilíbrio. E que o paciente deve estar equilibrado para poder assimilar melhor qualquer tratamento.

Por isso, inicia-se a primeira etapa do tratamento (ou do curso) com o autoconhecimento e autorrealização do participante. Este treinamento básico ensina cada um a lidar melhor consigo mesmo(a), com a família, amigos e com a sociedade como um todo.

A segunda etapa aprofunda-se em alguns segredos do Universo, esclarece verdades e mitos e prepara o participante para a terceira etapa em que ele poderá optar pelo aprofundamento em atendimento clínico e/ou, se preferir, para uma etapa aprofundada de autoconhecimento e autorrealização. Também é possível cursar as duas especializações, se assim quiser.

Até o momento, Lou de Olivier tem ministrado alguns poucos treinamentos neste sentido e apenas para profissionais de terapia, porém pela grande procura de pessoas de diversas áreas, Lou adaptou este curso que agora pode ser cursado nas três etapas por qualquer pessoa para autoconhecimento e autorrealização, porém, para atender pacientes é necessário ter formação em Psicologia ou Psicopedagogia ou Fonoaudiologia ou Terapia Ocupacional/Fisioterapia ou áreas correlatas. Também é possível fazer o curso, estudantes (último ano) destas áreas citadas ou Terapeutas que tenham alguma pós-graduação em alguma dessas áreas ou em Psicanálise ou em Medicina Comportamental. Profissionais que não se encaixem nesta descrição e queiram atuar em Multiterapia, podem nos contatar enviando um breve currículo e descrição de seu interesse que analisaremos caso a caso.

O primeiro módulo terá início em primeiro de agosto de 2017 e acontecerá na sede Cipen Cursos, Rua Darzan 350 – Próximo ao metrô Santana – São Paulo – SP – Brasil
Mais informações, escreva para equipe@loudeolivier.com ou contato@cipencursos.com
ou via fone 55 (11) 2338-3673
Site oficial: http://multiterapia.med.br/

Quem é Lou de Olivier:
Elaborado por Lou de Olivier, experiente Multiterapeuta, Psicopedagoga, Psicoterapeuta, Especialista em Medicina Comportamental, Bacharel em Artes Cênicas e Artes Visuais. Detectora do Distúrbio da Dislexia Adquirida/ Acquired Dyslexia, Precursora da Multiterapia e Criadora do Método Terapia do Equilíbrio Total/Universal. É também Pioneira da TV brasileira, Dramaturga e Escritora (vários gêneros), autora de dez livros didáticos, dois contendo romances, uma trilogia, vinte e-books, mais de 700 poesias publicadas e tendo duas de suas dezoito peças teatrais (“Os Alienados”, comédia reflexiva adulta e “Cinderela que não era Bela porque era Branca demais”, comédia infantojuvenil) já encenadas em todo o Brasil e em Portugal.
Como Acadêmica, tem diversos artigos e dossiês de sua autoria, publicados, entre 1995 e 2013 em revistas especializadas como Psique Ciência e Vida, Sentidos, Mãe Moderna, entre outras no Brasil e UK Brazil na Inglaterra, além de jornais como Sunday News (New York). Em outubro de 2016, sua participação como oradora do Global Clinical Psychologists Annual Meeting, abordando Acquired Dyslexia e Multitherapy, reacendeu o interesse da comunidade científica internacional por suas publicações destacando-se Mental Health and Addiction Research que publicou seu artigo Multitherapy – therapy techniques developed by Lou de Olivier.
Lou de Olivier é pesquisadora de todos os temas ensinados neste curso Multiterapia do Equilíbrio Total/Universal, que reúne mais de trinta anos de seus estudos condensados em um curso dinâmico, sucinto e extremamente enriquecedor.

Perguntem aos gatos!

11 de junho de 2017 Deixe um comentário

Diante da polêmica que se instalou em relação aos gatos abandonados em parques públicos, não só estou me empenhando (junto ao DEPAVE e Secretaria)  em ajudar a solucionar como estou escrevendo alguns artigos no sentido de educar a população para eliminar o abandono de animais domésticos. Esta semana publiquei: Por que adotar um animal? (para ler, clique aqui) E estou divulgando meu artigo com bases em muitos anos de estudos comprovando que os gatos são os melhores companheiros para crianças autistas. (para ler, clique aqui). Também escrevi um resumo do que foi a região (onde hoje está um desses parques com gatos abandonados) desde a chegada de meus pais (fundadores da região) em 1951 e o que é hoje. (para ler, clique aqui).

Quanto a polêmica em si, de um lado pessoas reclamam do mau cheiro e sujeira que os gatos contribuem para causar, das doenças que podem transmitir e de afastarem animais silvestres que habitavam o local, de outro lado administradores e responsáveis preocupados, buscam diversas soluções sem, no entanto, conseguirem conciliar opiniões e ações. E de outro lado, protetores e simpatizantes se desesperam ao saber da possibilidade dos gatos serem encaminhados para tratamentos e adoção, alegam inclusive que alguns são ferais, por isso, seria impossível coloca-los em “gaiolas” ou “domestica-los”.

Porém como estudiosa da mente humana e animal, entendo que eles não são ferais, eles ESTÃO ferais justamente pelas condições de privação em que vivem. Lembrando que gatos costumam dormir muito, cerca de dezesseis horas por dia. Num parque, precisam estar em estado de alerta, tem seu sono interrompido. Esta pode ser uma das causas de alguns parecerem “ferais”. Outros fatores que contribuem para a agressividade de alguns deles podem ser  maus-tratos (cães que avançam neles, pessoas que jogam-lhes pedras, etc.), escassez de comida, de água, disputa por território, entre outros.  Penso que o termo ideal para classifica-los seja que “estão ferozes/agressivos”, já que feral se refere a fúnebre e, em linguagem popular, ao animal que originariamente era selvagem, foi domesticado e voltou à vida selvagem. Não é o caso dos gatos que foram domesticados há quase dez mil anos no Oriente Médio e atualmente são animais domésticos e adaptam-se ao ambiente de acordo com seus recursos.  E foram abandonados nos parques, por imposição humana e não por opção. 

É um círculo vicioso, já que permanecendo nos parques estão mais sujeitos a maus-tratos e privações, além de condenados a solidão. Pois famintos e descuidados, raramente recebem carinho, o mais comum é serem enxotados. E isso os torna mais agressivos. E, por fome, acabam perseguindo os pássaros que ou são devorados ou fogem assustados desencadeando também situação de estresse a eles (pássaros).

Estive no parque Nabuco (situado na região fundada por meus pais, na zona sul de São Paulo – SP – Brasil) e verifiquei que muitos dos gatos se aproximam miando muito e pedindo ajuda. Percebe-se em seus olhos e atitudes que não pedem apenas comida e água, eles pedem atenção, carinho, alívio de suas privações… Alguns, simplesmente param de miar e entregam-se ao carinho… Acariciei e me comuniquei com alguns deles, são dóceis, estão assustados e buscam proteção e atenção, cuidados que uma família poderia dar. Se, em meio a eles há alguns mais agressivos, são casos a resolver em separado, mas não se pode generalizar como se todos fossem feras que não merecem sequer a chance de tentar uma adoção.

As noites tem sido muito frias aqui em São Paulo – SP – Brasil, em média seis graus. Fico pensando nestes inúmeros gatos abandonados em diversos parques. Eles tem pelos, mas não são suficientes para conter este frio intenso. Como devem sofrer a noite, quando não há ninguém nos parques, só frio e escuridão…

Cada gato tem características próprias, mas de forma geral, eles se alimentam três vezes ao dia, alguns comem em pequenas quantidades diversas vezes ao dia. Isso quando estão cuidados por uma família. Nos parques, acabam se alimentando apenas uma vez ao dia, às vezes nem isso, dependendo das pessoas que levam comida/ração a eles. Tudo isso deve ser analisado antes das pessoas julgarem, ainda mais as que estão de longe,  julgando pelo que acham e não pelo que é na realidade. 

É preciso pensar no que é melhor para os gatos e para todos os animais que habitam o local. E que seja bom para a população que o frequenta, também, ou seja, é um assunto delicado que necessita muita reflexão para uma decisão acertada.

Mas para resolver de vez esta polêmica, tenho uma sugestão. Antes de decidir o que é melhor para eles, perguntem aos gatos. Se eles querem continuar nos parques, sujeitos a tantos contratempos ou se querem dormir numa caminha quentinha, bem alimentados e ao lado de uma família carinhosa e acolhedora…E isso não é uma piada. Eles se comunicam pelo olhar, pelos gestos e será fácil entender a preferência deles. Até porque, quem tem amor no coração, consegue se comunicar até com as árvores e vegetais… Ainda mais com os gatos que são seres tão comunicativos!

By Lou de Olivier

Lou de Olivier – Multiterapeuta, Psicopedagoga, Psicoterapeuta, Especialista em Medicina Comportamental, Bacharel em Artes Cênicas e Artes Visuais. Detectora do Distúrbio da Dislexia Adquirida/ Acquired Dyslexia, Precursora da Multiterapia e Criadora do Método Terapia do Equilíbrio Total/Universal. É também Pioneira da TV brasileira e da Música mundial. Dramaturga e Escritora (vários gêneros), autora de dez livros didáticos, dois contendo romances, uma trilogia, vinte e-books, mais de 700 poesias publicadas e tendo duas de suas dezoito peças teatrais já encenadas em todo o Brasil e em Portugal.

Lou de Olivier é vegana (defende TODOS os animais), ajuda a manter com recursos próprios 17 (dezessete) gatos acolhidos das ruas, diversos projetos de ajuda a humanos e animais. Há muitos anos estuda o comportamento dos gatos, desenvolveu a Terapia Integrativa Humanos e Animais e o Projeto dançando com animais.  Lou é Pacifista socio-ambiental/animal e segue a filantropia anônima e desvinculada de política ou religião implantada por seus pais há quase oitenta anos.

Conheça o Portal Lou de Olivier (Saúde, Educação, Artes, Pacifismo): http://www.loudeolivier.com

Promoção Relâmpago

8 de junho de 2017 Deixe um comentário

Clique no banner e acesse a página de desconto:

Uma simples viagem de volta transforma-se em uma mescla de romance/paixão ardente e ficção científica. O avião, impossibilitado de aterrissar, é arremetido por três vezes pelo experiente piloto. Em meio ao pânico de alguns passageiros que temem a queda do avião, Arine, que é Escritora e Ativista Vegana, começa a relembrar seu passado, seus amores… Alguns vividos ardente e até escandalosamente, outros interrompidos, outros sequer experimentados. E, mentalmente, tenta mudar o rumo deles. Então as cenas voltam à mente dela e ela as revive como se acontecessem naquele momento.

Tudo isso regado a muito romantismo, impetuosidade, sensualidade e dança do ventre. Ela acaba tendo uma única certeza, quer o divórcio e quer recomeçar a vida de forma totalmente diferente. Pensa, inclusive, em procurar Eduardo, um Investigador de Polícia que ela amou há muitos anos atrás… Mas uma grande surpresa a aguarda no aeroporto e poderá mudar sua vida para sempre. Isso… se aquele avião, finalmente, conseguir pousar em segurança…

E atenção:
Este texto engloba, além dos temas já citados na sinopse, uma mescla de Física Quântica e Ficção Científica. Há uma viagem no tempo, misturando universos paralelos e caminhando para um final totalmente inesperado. Não há nenhuma “guerra nas estrelas” nem invasão de extraterrestres como é mais comum em textos de ficção científica. Aqui, em “Planos para o passado”, a viagem de avião mistura-se a uma viagem dentro da própria personagem e é esta “mescla de viagens” que torna este texto tão rico e… diferente!

Clique no banner e acesse a página de desconto:

O que a mídia está dizendo: “Lou de Olivier está de volta à Literatura e nos brinda com este espetacular romance: “Planos para o passado” é mais do que um romance. O texto tem muita aventura, ação, amor, dança do ventre, sensualidade e tudo isso acontecendo simultaneamente dentro de um avião prestes a cair.” The São paulo Times edição 16/11/2016

“…um romance, beirando a ficção científica que tem muita ação, viagem no tempo, dança do ventre, amores vividos à flor da pele, a construção e desconstrução psicanalítica e, entre muitos outros “temperos”, a tensão dentro de um avião que pode cair a qualquer momento. Tudo isso acontece ao mesmo tempo em “Planos para o passado”. The São Paulo Times edição 14/11/2016

Olha o passarinho! Fotografia, quem tem direito de publicação?

2 de junho de 2017 Deixe um comentário

Você sabia que numa fotografia estão “embutidos” diversos direitos? E que, dependendo do caso, pode gerar processos e multas ao ser publicada? Neste artigo eu abordo este tema…

Em primeiro lugar, vou explicar porque resolvi escrever sobre este tema, já que há anos não escrevo nada sobre direitos autorais… Desde que me tornei vegana, em 2010, passei a ter problemas ao frequentar eventos, pois eu acabava não comendo nem bebendo nada do que era servido. E sendo vista como chata, esnobe, etc. E, em 2013, depois de ouvir até a ofensiva pergunta “se eu só comia capim” feita por um convidado “colunável” que posa para a Imprensa como se fosse muito educado, eu afastei-me dos eventos não veganos, por motivos óbvios. Segui participando de eventos veganos, apresentando o vampirinho vegano e até lecionando gratuitamente biodança nesses eventos. Em 2016 me acidentei e acabei me ausentando também dos eventos veganos.

Em fevereiro de 2017, depois de mais de um ano afastada de todos os eventos, retornei comparecendo (como convidada) à exposição Laura Cardoso, em março (como ex homenageada) ao Prêmio Excelência Mulher organizado pelo CIESPSUL (FIESP). Foi noticiado aqui no blog e em alguns portais. Na sequência, compareci como convidada ao prêmio Industrial do ano. E resolvi enviar um release para a Imprensa, como sempre faço, citando os participantes, os organizadores e agradecendo o convite. Enviei a única fotografia que eu tinha que, por sinal, me foi enviada (via Facebook) pelo próprio fotógrafo que a tirou e que conheço há muitos anos. Ao enviar a foto para a Imprensa, eu citei os nomes e cargos de todos os integrantes da foto (que incluía o fotógrafo) e também citei a autoria dele.

Não imaginei que alguém pudesse se incomodar com isso, até porque seria uma divulgação gratuita em diversos portais, além do meu blog. Por isso, me surpreendi negativamente quando recebi, do fotógrafo, a reivindicação dos direitos autorais e a não autorização de divulgação da referida foto. Segundo ele, eu poderia apenas “curtir e compartilhar”. O Facebook parece ter condicionado as pessoas ao curtir e compartilhar só na rede, mas a ideia era divulgar para a Imprensa… E não na matrix da matrix!

Enfim, para evitar discussões inúteis, eu me desculpei, retirei o release da lista de divulgação, retirei a foto da nota já divulgada no meu blog e hoje estou escrevendo para esclarecer este assunto. Afinal, quem tem direitos autorais de uma fotografia?

De uma forma simplista, pode-se afirmar que o Fotógrafo tem direitos sobre a fotografia como obra intelectual que é especificado no parágrafo VII do Artigo 7º da LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.  Porém todas as pessoas fotografadas também tem direitos de uso de imagem e podem vetar a publicação de uma fotografia, dependendo do caso, exigindo até indenização, caso se sintam lesadas pela publicação não autorizada. Isto está bem explicado no Capítulo II (dos direitos da personalidade), Artigo 20º da LEI No 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002. Isto é tão sério que nenhum programa de TV vai ao ar, nenhuma revista ou jornal publica fotografias enfim, nenhum meio de comunicação sério publica nada sem um contrato de cessão de imagem, ou cessão de direitos de uso/exibição de imagem. E, para completar, os advogados lembram que há também o direito das marcas e objetos que aparecem na foto, ou seja, se na foto, além das pessoas, aparecer um quadro de um pintor famoso, antes do fotógrafo publicá-la, deverá ter consentimento do dono do quadro (quem comprou o quadro) e do artista (ou representante dele) que pintou o quadro. Se, na foto, houver uma garrafa de refrigerante ou bebida alcoólica, o fotógrafo deverá obter autorização da empresa fabricante da bebida. Se as pessoas que aparecem na foto estiverem usando um modelo de roupa de grife, deverá haver autorização do estilista/dono da grife e assim por diante.

Quase nunca isso é respeitado basicamente por dois motivos. Por desconhecimento das leis ou por comodismo, afinal, para uma empresa de bebidas ou um grande estilista é até bom que sua marca (ou modelo) circule em fotos pelas redes sociais, é uma “propaganda gratuita”. E as pessoas que posam para fotos, geralmente ficam felizes com sua exposição nas redes. Mas, na prática, qualquer foto que vá a público, incluindo redes sociais, que não tenha autorizações das pessoas e objetos fotografados corre o risco de ser retirada do ar e gerar processo indenizatório.

Eu, particularmente, acho tudo isso uma grande ignorância, um festival de egos inflados que acabam rapidinho quando um indivíduo sofre um acidente qualquer, fica inválido temporária ou permanentemente, envelhece demais para manter-se lúcido ou, por qualquer motivo, para de respirar por alguns minutos e vira um “vegetal”… A vida é tão efêmera que se preocupar com direitos autorais de um momento registrado ou de algo escrito ou seja lá o que for é uma grande bobagem. Se eu fosse processar todos que me furtaram textos, publicaram meus textos e/ou fotos sem meu consentimento e furtaram  até meus projetos inteiros, talvez ganhasse muito dinheiro com indenizações, mas perderia minha paz lutando anos na justiça…

Mas respeito os que lutam por seus direitos neste plano extremamente material. E comunico que, a partir deste episódio, não mais publicarei nada a respeito de eventos que não sejam produzidos por mim, nem me deixarei fotografar seja qual foto o objetivo. Afinal, também tenho meus direitos reservados à (não) exposição da minha imagem. Aliás, bem faziam os ciganos antigos que se recusavam a posar para fotos, segundo eles, uma foto “prende” a alma das pessoas num momento de registro… No fundo, eles tinham razão!

Industrial do ano 2017

28 de maio de 2017 Deixe um comentário

Lou de Olivier participou, como convidada, do evento “Industrial do ano 2017” promovido pela CIESP-SUL (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo Distrital Sul) e pela Fraternidade Aliança Aca Laurência, braço social da Entidade.

O evento ocorreu no Salão Nobre FIESP, na quinta-feira, dia 25/5/2017 e premiou as empresas e profissionais que mais se destacaram durante o período, assim como as empresas aniversariantes. (que completaram 110, 70, 65, 60, 50, 40, 30, 25, 22, 15 e 10 anos de fundação este ano).

O evento contou com a presença de autoridades, empresários, diretores do Ciesp/Fiesp e convidados.

 

Vale lembrar que Lou de Olivier é vegana e, sempre que participa de eventos com coquetel, explica educada e de forma bem fundamentada, porque não ingere nada de origem animal. Mostrando que o veganismo faz bem para a saúde humana, para os animais e para o meio-ambiente. E muitas pessoas se interessam pelo assunto, após ouvir os argumentos da Lou. Assim, ela vai disseminando o veganismo com respeito e bons argumentos, de forma pacífica e consciente. 

 

Palmas para a Lou! E parabéns a todos os homenageados!

 

 

Hiperatividade X Hipoatividade – Artigos de interesse

25 de maio de 2017 Deixe um comentário

Há quase trinta anos eu publico este tema, mostrando que a Hiperatividade é um sintoma e não um distúrbio. Antes de medicar a hiperatividade é preciso detectar qual distúrbio a está causando. Mesmo assim, ainda hoje se confunde este tema. Assim como a Hipoatividade que tem sido divulgada de forma equivocada.

Reuni dois dos meus melhores artigos sobre este tema, são um pouco antigos, mas continuam muito atuais e disponibilizo para leitura aqui:

Crianças hiperativas na escola – Artigo publicado pela Revista Profissão Mestre,  abril/2011 clique aqui

Hiperatividade não é distúrbio (Hiperatividade X Hipoatividade) Dossiê de minha autoria publicado pela Revista psique Ciência e Vida número 81 paginas 35 a 52, clique aqui

 

Atentado Manchester Arena (vítimas e ídolos)

24 de maio de 2017 Deixe um comentário

O recente atentado ocorrido no pavilhão Manchester Arena (Reino Unido), logo após o show de uma cantora Ariana Grande, levanta diversas questões. Desde a segurança em locais públicos até os bastidores de atentados terroristas. Entre choros, lamentos de familiares, notícias sensacionalistas, declarações que chegam ao relato de que um dos muitos envolvidos estaria sendo investigado pelo Serviço de Inteligência Britânica em contraponto a outra declaração de que foi apenas um ataque suicida de um único indivíduo que, por motivos óbvios, morreu na explosão.

Seja qual for o número de envolvidos, seja um ataque terrorista ou suicida, a realidade é que, até o momento, se tem notícia de vinte e duas vítimas fatais e quase sessenta feridos. O resultado é parcial, pode aumentar o número de vítimas. E, enquanto todos se voltam ao ataque em si, eu relembro um polêmico artigo que escrevi por volta de 1999 (publicado em portais europeus) e que reformulei em 2012 para publicação impressa exclusiva pela Revista Psique (Brasil) que analisa o que leva as pessoas a criarem ídolos. O que move uma pessoa numa admiração tão profunda (por alguém que canta ou dança ou interpreta, mas não faz parte de sua realidade) ao ponto de declarar (no twitter) “Tão entusiasmada por te ir ver amanhã”. E ser identificada como primeira vítima fatal no dia seguinte?

Destino? Fatalidade? Ou algo que analisei neste artigo e que te convido a ler. E friso que não estou criticando o ocorrido. Nem culpando a artista pela fatalidade. O que quero é apenas mostrar a necessidade de um novo entendimento do mundo, especialmente dos adolescentes pelos pais e vice-versa. E que, além deste terrível atentado, é preciso refletir sobre:

 

A razão de se criar ÍDOLOS – Por Lou de Olivier – utilidade pública (especial para Revista Psique Ciência e Vida) – reproduzido exatamente como na versão impressa:

 

A fuga da realidade mostra como nos esquivamos do enfrentamento de frustrações, um comportamento cada vez mais frequente, que faz o sucesso das telenovelas e dos consultórios.

O ator de TV ou cinema entra em cena e, sem que nada diga, é calorosamente aplaudido. Se sorrir ou acenar ou ainda jogar beijos, pode levar a plateia à loucura. O cantor que, às vezes nem canta tão bem, começa a dançar e as garotas já se excitam. Se ele fizer passos sensuais e/ou rebolar um pouco, lá estão elas gritando histéricas. Em meio a essa parafernália, quem vai perceber se o sujeito canta bem?

Pessoas até comuns, que têm seus 15 minutos de fama, e despem-se para fotos em revistas especializadas, bastam para que as edições esgotem-se rapidamente.

E o que dizer dos fãs que se emocionam e chegam aos prantos em aeroportos à espera de seus “ídolos”? Deixam, às vezes, de comprar algo que realmente necessitam para adquirir o recente lançamento ou o ingresso para um show, ocasião em que serão espremidos, destratados, acotovelados, inclusive correndo risco de vida em meio a uma multidão em transe. Mesmo assim, os fãs continuam espalhando aos quatro cantos que “amam” artistas com os quais não têm nenhuma intimidade, muito menos motivos para amar. Mas de onde vêm esses sentimentos desenfreados?

Talvez se falássemos sobre a histeria coletiva, amplamente estudada, tanto por Freud quanto por Jung, podemos transcorrer sobre algumas respostas a esta questão, mas o debate acerca deste tema é complexo, e precisaremos de um novo artigo para isso.

O palco é projetado de tal forma que impõe distância. Seja qual for seu formato (italiano, grego, etc.), sempre é colocado com certa distância, num plano geralmente mais alto (ou ao menos destacado) que as cadeiras da plateia. Aí vêm os sons e luzes que emitem mensagens e, de certa forma, despertam fantasias.

O cinema também, com sua tela gigante colocada a distância, transforma os atores em seres totalmente intocáveis. Tanto que, quando a tela se apaga e as luzes acendem-se, muitos se frustram ao terem de volta a realidade de forma tão rápida. No teatro essa frustração geralmente é substituída por excessivos aplausos, de forma prolongada, o que obriga os atores a voltar à cena. É uma forma inconsciente de prolongar o momento, forçando os atores a continuarem visíveis, ao menos para agradecer os insistentes aplausos.

A TV, então, dispensa comentários, com sua fábrica de novelas e comerciais martelando o cérebro do público. E o bombardeio é tão poderoso que acaba fixando a ideia de que tudo o que aparece na telinha é perfeito, amável, desejável, soberano e deve ser imediatamente consumido.

Mas, além disso, existe outro fator: a necessidade inconsciente de que o ser humano tem de criar e sustentar ídolos. Até mesmo para melhor viver ou, ao menos, sobreviver. Quando criança, a necessidade de liberdade e autonomia faz com que sonhemos com o dia em que estaremos livres das imposições de nossos pais e sociedade, e transferimos nossos desejos a algum super-herói do momento, ou talvez, numa transferência mais masoquista, a algum mártir desses sofríveis contos de fadas que atravessam os tempos. Lembrando que, neste período, a criança passa pelas fases simbióticas em que ela se imagina um mesmo ser com a mãe e, na sequência, percebe sua mãe como um ser independente dela, dando início ao objeto transicional e edipiano ao genitor do sexo oposto, fazendo dele uma espécie de ídolo, pelo menos por este período da vida.

 

A TV, ENTÃO, DISPENSA COMENTÁRIOS, COM SUA FÁBRICA DE SONHOS MARTELANDO O CÉREBRO DO PÚBLICO. E O BOMBARDEIO É TÃO PODEROSO QUE ACABA FIXANDO A IDEIA DE QUE TUDO O QUE APARECE NA TELINHA É PERFEITO

 

No início da adolescência, isso muda completamente de figura. Ainda sonhamos com a liberdade, mas, também brigando com o corpo/mente em transformação, sonhamos com ídolos de carne e osso, mas que, protegidos pelo escudo da fama, nos sejam intocáveis e, portanto, não nos causem mal. Já que, nesta fase, estamos frágeis e qualquer mágoa pode nos desestruturar. Dessa forma, podemos amar de forma plena, com uma entrega total, sem corrermos o risco do abandono. Afinal, em nossa imaginação, nosso ídolo age e reage da forma como estipulamos e jamais nos trairá ou abandonará, já que nós estamos no comando da relação.

Na passagem da adolescência para a juventude, o normal é que comecemos a construir uma relação mais verdadeira, então passamos a flertar, “ficar”, namorar, e aí vêm as primeiras decepções com a realidade. Então, seguimos nossas vidas, consumindo revistas de fofocas televisivas ou fotos sensuais, vivendo as cenas de um filme como se fizessem parte de nossa vida. E a vida real? Esta pode esperar ou até acontecer em paralelo, desde que não atrapalhe a novela…

Podemos entender a fuga da realidade como uma tentativa de amenizar a frustração, ou seja, diante de algo que não gostamos, ou não nos satisfaz, procuramos algo que, apesar de ilusório, nos agrada. Nos deparamos então com a velha batalha entre o princípio da realidade e o princípio do prazer. Freud demonstrou que tanto os sonhos quanto as fantasias são processos visando avaliar a angústia.

A grande realidade é que tanto público quanto artistas seguem inconscientes desse jogo estabelecido em função da fama. A relação intocável firmada entre os dois parece ultrapassar o tempo; mudam os ídolos e o público, mas a relação continua a mesma. Provavelmente nunca mude. É o círculo da mente humana que se adapta à fantasia da época e segue sua fuga desenfreada das frustrações reais!

 

Lou de Olivier é psicopedagoga, psicoterapeuta, especialista em Medicina Comportamental. Precursora da multiterapia e criadora do método terapia do equilíbrio total/universal, ministra workshop Corpo Mente Movimento. É autora de 14 textos teatrais e 8 livros didáticos. Site www.loudeolivier.com

 

Fonte – Revista Psique Ciência e Vida – Ano VI – Novembro 2012 –  Edição 83 – paginas 22 e 23

 

%d blogueiros gostam disto: