Arquivo

Posts Tagged ‘Ana vegana’

Testes em animais: Muita dor para nenhum resultado afirma Lou de Olivier

19 de julho de 2017 Deixe um comentário

Este artigo é um pouco antigo, mas continua atual. Aborda de forma aprofundada a inutilidade dos testes em animais. Na ocasião em que foi escrito, este artigo foi publicado em grandes portais como Agência O Globo e ANDA

 

e teve ótima repercussão. Porém, como até hoje continua a discussão sobre a aprovação ou não da abolição de testes em animais por faculdades e universidades, no momento, com todos esperando a assinatura de Geraldo Alckmin (projeto 706/2012, autoria de Feliciano Filho), é importante relembrar este artigo que trata com argumentos sérios a polêmica da  utilização de animais. E prova porquê não há nenhuma necessidade nem resultados nestes experimentos científicos.

Utilização de animais em experimento científico: Muita dor para nenhuma utilidade!

Lou de Olivier mostra, de forma objetiva e fundamentada, porque os testes em animais são abusivos, ultrapassados e, em especial nos estudos do Autismo, são totalmente imprudentes e desnecessários:

 

Em meados da década de noventa, especificamente em 1995, iniciei minhas publicações oficiais em jornais impressos (de bairro) e, na sequência, em jornais eletrônicos no Brasil, Portugal e Reino Unido, neste último, em uma revista impressa UK Brazil. Nesta época eu comecei a divulgar tudo que já havia descoberto em relação aos distúrbios de aprendizagem, comportamento e também artigos polêmicos, sendo um deles “A verdade da Pesquisa Científica” que relatava como é, de fato, o procedimento e os caminhos dessas pesquisas. E porque não podem ser citadas como totalmente confiáveis, até porque não abrangem toda a população mundial ao mesmo tempo e não podem ser consideradas ideais para todos.

Nestes anos todos tenho publicado inúmeros artigos e dossiês e sempre que penso que já publiquei tudo e já está tudo esclarecido, surge uma nova experiência como a que foi relatada em recente artigo sobre indução de macacos ao Autismo para fins de pesquisa e, nestes momentos, percebo que muito ainda há a se publicar e esclarecer.

Na essência, o que precisa ser frisado é que os animais tem cérebros diferentes dos humanos, suas peles, órgãos, tudo nos animais é diferente dos humanos, (não são outra espécie, são outra RAÇA). Isso provoca uma reação diferente dos humanos…

Se nos aprofundarmos, perceberemos que muitos dos medicamentos que estão em uso hoje foram descobertos na natureza e só depois disso foram testados em animais mas já eram usados por pessoas consideradas leigas. Isso torna o teste inútil pois já se sabia o resultado em humanos, restaria apenas industrializar o que nossas tataravós descobriram de forma natural. Além disso, muitos destes medicamentos são variações de drogas já existentes (que já foram testadas e não necessitam de novos testes), outras falharam em testes com animais mas foram eficazes com humanos. Há casos de drogas que causam muitos efeitos colaterais em animais mas são inofensivas aos humanos e vice-versa. Há casos de medicamentos que foram testados em animais e produziram efeito para um tipo de doença mas, ao serem utilizados por humanos, causaram efeitos colaterais ou se mostraram eficazes para outros distúrbios/doenças. Isso ocorre na cosmética também. Com isso os próprios humanos servem como “cobaias” já que a descoberta vem depois que o medicamento já está no mercado, sendo utilizado pelos humanos.

Por ocasião da publicação do meu quarto livro “Verdades que ninguém publicou” em 2003, recebi, de laboratórios, muitas pesquisas que estavam em andamento para servirem como base ao meu livro e notei em algumas pesquisas a média “aplicada a três camundongos, um teve choque anafilático mas foi ressuscitado, outro ficou bem sem reações, o terceiro sofreu óbito, então o medicamento tinha aprovação”… ATENÇÃO: Esta afirmação tem intenção de ser apenas alerta, não quero aqui acusar nenhum laboratório nem causar polêmica, apenas já passou da hora de termos clareza em relação aos testes e medicamentos para a libertação animal e também para o bem estar dos humanos que necessitam de curas e não de paliativos nem placebos.

O médico americano Ray Greek, fundador da Americans For Medical Advancement (AFMA), afirma que “Essas drogas deveriam ser testadas em computadores, depois em tecido humano e daí sim, em seres humanos. Empresas farmacêuticas já admitiram que essa será a forma de testar remédios no futuro”. Eu, porém, vou muito mais além, afirmo com certeza que a solução está na prevenção e a alimentação tem papel fundamental nesta prevenção. Já publiquei artigo sobre o médico judeu, nascido na Polônia, Dr. Max Gerson, que revolucionou o “mercado” ao anunciar cura de diversas doenças, incluindo o câncer com o tratamento proposto que incluía alimentação vegana estrita. Obviamente outros procedimentos eram exigidos mas a alimentação vegana era a base. Este médico foi bastante perseguido nos Estados Unidos e acabou tendo uma única clínica no México. É um tema extenso, indicarei complementação de leitura no final deste artigo.

São muitos os artigos acadêmicos que associam o consumo de carne a diversas enfermidades, as principais são *toxoplasmose causada por carne mal passada ou crua, *neurocisticercose por ingestão de carne de porco ou boi hospedeiro, o consumo de carne vermelha relacionado ao aumento do risco de câncer colorretal e outros tantos artigos oficiais. São muitos também os estudos que mostram “curas” em pacientes utilizando “efeito placebo”, (comprimidos inertes que são ingeridos imaginando que sejam medicamentos ativos, ou pode ser também uma cirurgia simulada em que o paciente imagina-se sendo operado de verdade, ai se encontra a “cura psicológica” do paciente) Para ter acesso a estes estudos basta uma consulta ao Google Acadêmico ou, como conhecemos nos bastidores da saúde, “Doutor Google”. Consultá-lo não torna ninguém expert no tema mas, sem dúvida, torna a pessoa mais atenta, informada e apta a julgar o que é correto ou não para sua saúde e para o meio ambiente como um todo. E, concluindo este raciocínio, há uma grande distância entre o que se comenta nos hospitais e aulas e o que se publica oficialmente em pesquisas científicas, há uma grande distância entre as publicações especializadas feitas por profissionais que pesquisam e testam em laboratórios e as consideradas “extraoficiais” elaboradas por profissionais que atendem diariamente aos pacientes. Esta discrepância eu percebi desde criança lendo os livros de (Medicina e Enfermagem) dos meus pais e analisando as cenas que via constantemente em hospitais. E senti na pele na adolescência quando fui desenganada pela Medicina e notei que o que se lia nos livros, especialmente os alemães, nada tinha em comum com o que se falava em consultórios ou se publicava em outros idiomas, Por isso, hoje, posso afirmar com tanta convicção tudo que afirmo, porque nunca fiquei apenas pesquisando, eu vivenciei e vivencio tudo o que pesquiso e publico. Este também é um tema bastante complexo, indicarei complementações ao final.

Para não tornar este artigo muito extenso, finalizarei com duas ramificações que julgo essenciais ao entendimento deste artigo. Primeiro induzir animais, mais precisamente macacos ao Autismo para efeito de pesquisas, significa um retrocesso por dois motivos, primeiro porque, por mais que se julgue o macaco semelhante ao ser humano, há diferenças gritantes e, como já foi dito, muitos dos resultados com animais não se repetem com humanos, os efeitos colaterais são outros também e este testar não leva a nada. Segundo porque há muito tempo já se sabe que o Autismo varia de grau leve a extremamente grave, comprometendo o desenvolvimento da fala e do cognitivo. Tanto que em 1944, o Médico alemão Hans Asperger descreveu uma síndrome que passou a ter seu sobrenome citando indivíduos que tinham traços do Autismo mas não tinham atraso na fala e cognitivo, considerando cognitivo como aquisição de aprendizagem, conhecimento. Alguém pode calcular como podem ser estudados macacos que, normalmente, não falam? A variação citada por Asperger será estudada de que forma? E se o normal dos macacos já é não falar, como se poderá provar que estão “autistas” ou apenas exercendo sua natureza que é não expressar um idioma? E como analisarão a tríade própria do Autismo, sendo o verbal tão importante? Frisando que macacos não falam, como analisar a perda (ou não desenvolvimento) do que nunca tiveram?

Eu poderia escrever mais umas dez paginas e não esgotaria o tema. Parece-me uma piada tornar um macaco autista para estudar um humano autista. Em todas as minhas pesquisas nesses anos todos eu atendia gratuitamente a população e eles assinavam um termo autorizando eu publicar os resultados desde que os mantivesse anônimos. Esta é a forma mais correta e inteligente de pesquisar, atender gratuitamente pessoas doentes, curá-las ou, ao menos, controlar seus distúrbios e publicar resultados. Foi assim que publiquei todos os meus livros baseando-me em minhas próprias experiencias e em atendimentos aos pacientes. Quando há, de fato, vontade de encontrar respostas e curas, atende-se quem já está doente e chega-se ao tratamento ideal e não se cogita “adoecer” seres saudáveis para estudar o que, por sinal, já foi descoberto há muito tempo.

*A teníase é provocada pela presença da forma adulta da Taenia solium (porco) ou da Taenia saginata (boi), no intestino delgado do homem. A cisticercose é causada pela larva da Taenia solium nos tecidos e a neurocisticercose é quando atinge o SNC (Sistema Nervoso Central). A cisticercose causada pelo boi é rara mas também ocorre no ser humano. Toxoplasmose é causada pelo protozoário Toxoplasma gondii por ingestão de carne crua ou mal cozida infectada com cistos, especialmente carne de porco e carneiro ou por contato direto com fezes de gatos infectados.

Para saber mais sobre alimentação como melhoria da qualidade de vida, acessem: http://anavegana.loudeolivier.com/

Ação multimídia, Vampirinho Vegano, acessem clicando aqui
Para saber mais sobre Autismo e outras pesquisas minhas, acessem clicando aqui
Loja virtual com preços populares e renda toda doada aos animais abandonados, acessem clicando aqui
Outros temas, vídeos, artigos,(Saúde, Educação, Artes, Pacifismo) acessem, clicando aqui

Lou de Olivier – Multiterapeuta, Psicopedagoga, Psicoterapeuta, Especialista em Medicina Comportamental, Bacharel em Artes Cênicas e Artes Visuais. Detectora e Defensora do Distúrbio da Dislexia Adquirida/ Acquired Dyslexia, Precursora da Multiterapia e Criadora do Método Terapia do Equilíbrio Total/Universal. É também Dramaturga e Escritora (vários gêneros), autora de dez livros didáticos, dois contendo romances, uma trilogia, mais de 700 poesias publicadas e tendo duas de suas dezesseis peças teatrais já encenadas em todo o Brasil e em Portugal. Lou de Olivier é vegana, ativista sócio-ambiental/animal e segue a filantropia anônima e desvinculada de política ou religião implantada por seus pais há quase oitenta anos.

Este artigo foi publicado em 03/02/2016 pelo Portal ANDA. Leia, clicando aqui. E publicado em 12/02/2016 por diversos portais, destacando-se Agência O Globo. Leia, clicando aqui

 

Anúncios

A linha tênue entre proteger e maltratar animais

11 de maio de 2017 1 comentário

A linha tênue entre proteger e maltratar animais

By Lou de Olivier

No Rio de Janeiro, segundo a reportagem do Noticiário “Documento Verdade” – Rede TV: Polícia vai à casa de acumuladora de animais e registra cenas assustadoras”. De fato, o vídeo mostra a repórter tentando uma entrevista e, diante da recusa da moradora, a polícia é acionada e, desta vez, a entrada é permitida. No interior da casa, cenas chocantes. São sessenta gatos e dez cachorros, todos muito sujos, maltratados e a casa tem lixo (e fezes) acumulado por todos os lados. Porém, é possível verificar que os cães estão em uma área ao ar livre, isolados dos gatos. E há muitos potinhos de comida, além de vários sacos de ração, um deles quase cheio, o que demonstra que a mulher ao menos alimentava os animais.

Depois da vistoria, a cuidadora é presa e levada sob acusação de maus-tratos, enquanto o Psiquiatra Marcelo Piquet relata as características do “Transtorno de acumulador compulsivo”, o que, no meu entender, é uma variação do Transtorno Obsessivo Compulsivo, mas isso é tema para outro artigo… O detalhe é que, me parece, a mulher não foi examinada e ninguém, além de um dos investigadores, percebeu que ela também vive nesta sujeira toda. Talvez, invés de ser presa, fosse mais humano levar esta senhora ao Psiquiatra que tão bem relatou os sintomas e que poderia ajudar esta mulher a entender o mal que estava causando aos animais e a ela mesma, além da vizinhança também prejudicada.

Em outro ponto do país, em Alagoas, segundo matéria da Gazeta Web, outra mulher colocou um dos nove filhotes de cachorro (sob seus cuidados) dentro de uma máquina de lavar e, após todo o processo de lavagem, percebendo que o cãozinho ainda estava vivo, ela o jogou na tubulação de esgoto. Vizinhos retiraram o cãozinho do esgoto e acionaram uma ONG que o resgatou junto aos seus oito irmãozinhos, na tarde desta terça-feira (9). Os filhotes foram encaminhados para a sede da ONG e o caso foi denunciado à Comissão do Bem Estar Animal da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas. Porém, no vídeo, a mulher que tentou matar o cãozinho aparece se justificando e até ironizando a situação. E dá para perceber que o cãozinho não deve ter resistido pois está já desfalecido no colo da pessoa que o resgatou…

Diante desses dois fatos, é preciso analisar quem, de fato, agiu de má-fé. A senhora já de idade que acumulou muitos animais e não teve como cuidar deles ou a outra que colocou de propósito o filhote na máquina de lavar?

O que precisa ser pensado é porque se quer adotar um animal. Há quem adote por pena do animal, há quem adote para ter companhia ou desestressar e o que quase sempre ocorre é a adoção por impulso, porque o animal aparece na porta da casa ou porque é encontrado abandonado em algum local. Num impulso, a pessoa o leva para casa e depois de um tempo descobre que não tem habilidade ou tempo ou paciência para cuidar e ai pensa em abandonar ou se livrar do bichinho…

É preciso também ter consciência e limites na hora de adotar um animal. Do ponto de vista terapêutico e até mesmo pelo lado material/físico, o ideal é que cada cuidador tenha um único animal, (no máximo dois animais) Desta forma é possível cuidar bem do animal, numa relação de carinho, sem se sobrecarregar e sem o animal se sentir rejeitado, o que acontece muito quando se tem muitos animais e poucos cuidadores. Se uma pessoa tem boas condições financeiras e pode pagar alguém para cuidar do animal enquanto ela trabalha/se ausenta ou quando a família é grande, pode-se adotar mais animais. Porém, uma pessoa sozinha, como é o caso da senhora do Rio de Janeiro, não deve adotar mais do que um, no máximo, dois animais. Senão passa de protetora a “acumuladora” porque, em algum momento, perderá as rédeas da situação e a sociedade não pensa duas vezes para julgar e condenar, ainda que a intenção da pessoa tenha sido das melhores.

É difícil prever o futuro, especialmente num país como o Brasil, mas se uma única pessoa adotar muitos animais, é provável que, em algum momento, não consiga cuidar deles. Aliás, alguns idosos mal conseguem cuidar de si mesmos e, nesses casos, deve haver alguém da família que possa ajudar. Deve haver também uma grande conscientização do que é adoção e posse consciente, sobre castração, evitando assim que os animais procriem indiscriminadamente e isso justifique colocar um dos filhotes numa máquina de lavar roupas.

A realidade é que muitas pessoas não tem noção do que é uma vida, seja ela humana, animal ou mesmo vegetal. São diferentes tipos, mas são vidas e precisam ser preservadas, no mínimo, respeitadas. Se não se pode cuidar de um animal, é melhor colocá-lo para adoção do que abandoná-lo ou tentar matá-lo. Sem dúvida a raça humana ainda tem muito a aprender. E, enquanto aprende é mais prudente que se afaste dos animais e de todas as vidas.

Saiba mais sobre adoção consciente, acesse Animangels, clique aqui

Saiba sobre veganismo, alimentação saudável e respeito a todas as vidas, acesse Ana Vegana, clique aqui e Solua, Vampirinho Vegano, clique aqui

Leia e assista aos vídeos:

Caso Rio de Janeiro: Rede TV, clique aqui. Publicado também no Portal ANDA, clique aqui

Caso Maceió: Gazeta Web, clique aqui. Publicado também no Portal Olhar Animal, clique aqui

 

 

 

Vampirinho Vegano na mídia (apresentação Zona Norte)

10 de maio de 2017 Deixe um comentário

Publicamos esta nota de agradecimento aos 33 (trinta e três) veículos de comunicação que publicaram notas/releases sobre a apresentação de Lou de Olivier (vampirinho Vegano na zona norte de São Paulo – SP – Brasil, neste domingo, dia 07/05/2017.  Como não podemos citar todos os blogs, jornais eletrônicos e agências de notícias que publicaram, citamos aqui os links da Agência O Globo, clique aqui e The São Paulo Times, clique aqui. Agradecimentos também ao Jornal Rola no Brasil (What’s up in Brazil) que publicou nota, clique aqui e aos outros 31 (trinta e um) veículos que prestigiaram o evento, noticiando a apresentação.

Fotos e detalhes desta e de outras apresentações, palestras e eventos podem ser acessados no site oficial:  http://soluavampirinhovegano.com.br/

Agradecimentos também aos sites e blogs que noticiaram antes do evento ocorrer,cloaborando assim com nossa divulgação. São eles:

Noticias da Lou, clique aqui  e aqui

Olhar animal, clique aqui

Mimi Veg, clique aqui

Eventos Veganos Divulgação, clique aqui

Eventos Veganos Veggi&Tal, clique aqui (Obs: O link para este site está quebrado, aguardamos que retorne para indicá-lo aqui)

Apresentação Especial Solua, vampirinho vegano

18 de abril de 2017 7 comentários

ATENÇÃO:  Quem vai de metrô ou por qualquer motivo não puder levar um saco de 4 kgs de areia para gatos, poderá optar por doar o equivalente em $$ (aproximadamente R$ 7,00 sete reais) que será utilizado para comprar areia e doar aos gatinhos do Projeto Animangels)

Apresentação especial do Solua, o Vampirinho Vegano na Zona Norte de São Paulo – SP – Brasil.

Dia 7 de maio de 2017, domingo, as 14:30 horas na sede Cipen Cursos, Rua Darzan, 350.
Fica entre a Avenida Cruzeiro do Sul e a Avenida Dr. Zuquim, pertinho do metrô Santana.

Terá apresentação dos desenhos animados do vampirinho vegano, gincana, sorteio de camiseta, cartilha e/ou bloquinho do vampirinho vegano e também uma seção de pintura com lápis de cor.

O ingresso é um saco de areia para gatos (que doaremos aos dezesseis gatinhos cuidados pelo Projeto Animangels).

Compareça e traga suas crianças. Elas vão amar! E você também!

LOU DE OLIVIER PROFERE PALESTRA MEMORÁVEL SOBRE VEGANISMO

23 de março de 2017 2 comentários

Operação Carne Fraca, o outro lado da questão

19 de março de 2017 Deixe um comentário

Existe uma tendência natural (ou proposital?) de se perceber sempre e apenas o lado ruim das situações. Esta forma distorcida da realidade tem sido plantada pela mídia há muitos anos. E conduz o público leigo a pensar sempre como se tudo fosse uma grande tragédia e não houvesse nenhum bem nos acontecimentos. Especialmente aqui no Brasil.


 A bola da vez é a “Operação Carne fraca”. Segundo a Revista Época (REDAÇÃO ÉPOCA

18/03/2017 – 14h59),De acordo com a Polícia Federal, ao menos 30 empresas produtoras de carne no Brasil adulteravam a data de validade dos produtos comercializados. Para mascarar a aparência e o cheiro ruim da carne vencida, eram usados produtos químicos – o ácido ascórbico, substância potencialmente cancerígena. As empresas também injetavam água nas peças, para aumentar o peso dos produtos, e acrescentavam papelão no preparo de embutidos. As carnes chegavam aos supermercados graças ao pagamento de propina a fiscais do Ministério da Agricultura, que afrouxavam a vigilância. Nem sempre a propina envolvia dinheiro – até mesmo caixas de carnes, frango e botas foram dadas como forma de pagamento pela vista grossa das autoridades”.

 A matéria segue com diversas informações, no mínimo, dúbias mas vamos analisar esta primeira sequência: Sobre a questão da carne vencida, mascarada e o papelão nos embutidos (que por sinal, não é só papelão, há muitas outras substâncias nos embutidos que fazem o papelão ser apenas um detalhe)… Esta não é uma nova informação. Eu soube disso há uns quinze anos, quando tornei-me ovo-lacto-vegetariana (sujeita a recaídas) e desde então passei a divulgar informações. Ao me tornar vegana em definitivo, em 2010, criei o site Ana Vegana, o Projeto Solua Vampirinho Vegano e intensifiquei as publicações e divulgações de forma multimídia. Assim como eu, inúmeras pessoas conscienciosas escrevem artigos, falam em entrevistas e o que espanta não é a recente “descoberta” amplamente divulgada pela mídia e sim o fato do público só agora tomar conhecimento disso.

O que faltou para este mesmo público saber disso muitos anos antes? Faltou o público ler mais, se informar mais e, acima de tudo, parar de esperar a “grande mídia” noticiar. Infelizmente, a maioria só acredita no que a “grande mídia” divulga. O que os leigos não sabem é que a “grande mídia” só divulga o que é pago ou tem interesse direto ou até mesmo o que não bate de frente com os patrocinadores ou dirigentes. Por isso, dificilmente, se encontra uma informação dessas de imediato. Quando é divulgada já se passaram muitos anos e a divulgação ocorre quando já não se tem mais como consertar a situação ou não dá mais para esconder.

Outra análise que se faz necessária: Este fator de adulteração de datas é uma prática comum a inúmeros estabelecimentos, isso inclui supermercados, hipermercados e praticamente todos os grandes estabelecimentos que lidam com perecíveis. Cabe ao comprador estar atento e observar o que está comprando quanto ao aspecto, cheiro e outros detalhes e não se informar apenas pela data de validade.

Concordo que esta adulteração de datas é uma ação ruim dos estabelecimentos. Porém os veículos midiáticos esquecem (ou não tem interesse) em divulgar que diversas redes de supermercados tem duas ações que considero muito boas.

A primeira é oferecer alimentos fracionados, frutas, legumes e até verduras são escolhidos, retiradas suas partes estragadas e vendidas cortadas, ou seja, aproveita-se a parte boa do alimento e vende-se de forma mais barata em partes menores. Outra ação é que se pode encontrar em todas as seções, (alguns supermercados tem uma seção específica) produtos com data próxima do vencimento com descontos de até 50%. Isso deveria ser amplamente divulgado, mas não é porque o interesse é sempre mostrar o lado ruim de tudo. O que é bom só acontece no exterior, segundo a mídia, o que é um equívoco. Quem conhece e/ou tem contato com o exterior, sabe que por lá as coisas também não são tão maravilhosas. A diferença está na “venda da ideia” de que o exterior é um paraíso e o Brasil é um inferno quando, quem tem mais percepção sabe que o mundo está em crise, o planeta agoniza em todos os sentidos. E a questão está fora de controle para todos, não só para os brasileiros.

Finalizando este artigo que já está meio longo, tão logo se noticiou esta Operação Carne Fraca, surgiram inúmeras manifestações de veganos e vegetarianos satirizando os carnistas, rindo muito da situação de quem ingere carne. A única observação que faço é verifiquem o que vocês veganos e vegetarianos ingerem, invés de rir dos carnistas. Se um vegano ingere alimentos com agrotóxicos ou embutidos, congelados e outros alimentos industrializados e questionáveis, não está longe do que os carnistas ingerem. Além disso há questões que envolvem o clima, a escassez de água e de alimentos que está crescendo de forma assustadora, novas “doenças” que surgem justo por meios que deveriam curá-las… interesses manipulados por uma cúpula que busca poder e domínio do planeta a qualquer preço. E, já que não se pode alterar isso, porque foge ao nosso poder de decisão, a melhor atitude é entender tudo como bom e produtivo. No caso desta operação carne fraca, inúmeras pessoas se tornarão vegetarianas ou até veganas, ainda que pelo medo e asco. E isso será bom para elas, para o planeta e para os animais. Além disso, muitas outras “descobertas” serão divulgadas e isso também será bom para todos.

Vamos refletir sobre isso?

Saiba mais sobre veganismo consciente, acesse o site Ana Vegana, clique aqui

Conheça o Projeto Mutimídia Solua, vampirinho vegano, clique aqui

O VAMPIRINHO VEGANO DE LOU DE OLIVIER AGORA É INTERNACIONAL

11 de março de 2017 Deixe um comentário

Além de e-books, cartilhas, desenhos animados, camisetas e peças teatrais já lançados em Português, agora Lou de Olivier inova lançando o primeiro episódio de Solua, o vampirinho vegano traduzido para o Inglês. O projeto todo é filantrópico, não tem nenhum patrocínio nem vínculo político ou religioso, busca plantar uma nova consciência socioambiental e animal e tem renda doada aos cuidadores de animais abandonados. Confira!

 

O Projeto já é bem conhecido há anos e, logo após o sucesso da Mega-apresentação Teatral Vegana que levou o texto “Plantando uma nova consciência” na forma presencial a seis cidades brasileiras e de forma online para o mundo, agora inova mais uma vez.

O primeiro episódio foi traduzido para o Inglês e já está sendo lançado em formato e-book (livro online) com exclusividade, pelo site Amazon. O enredo já é conhecido pelas crianças e adultos brasileiros, mas está sendo grande novidade para as crianças e adultos que falam e leem em Inglês. “Solua, the little vegan vampire” tem a mesma sequência do português. Ele começa comendo muitas frutas no supermercado, vai parar no sítio do Senhor Soom, se envolve com uma tribo de índios e acaba convencendo a todos sobre os benefícios do veganismo para humanos e animais. Destaque também para o gatinho “Miau”, que também vira vegano e até aprende a falar. Em Inglês ele se chama “Meow”. Assim como a renda dos e-books em Português foi doada a cuidadores de animais abandonados e deficientes intelectuais, a renda dos e-books em Inglês também será doada e, se houver uma boa venda dos e-books, a renda também poderá ser usada para a continuidade do projeto que não tem nenhum patrocínio nem vínculo político ou religioso.

Aliás, vale frisar que Lou de Olivier até o momento, não obteve nenhum lucro financeiro neste projeto. A maioria dos materiais, assim como apresentações, tem sido grátis e a renda que entra do pouco que é vendido é investida em rações, medicamentos e outros recursos em auxílio aos cuidadores de animais abandonados. Portanto, este não é um trabalho comercial e não visa lucro financeiro. A atuação é, de fato, plantar uma nova consciência socioambiental e animal, buscando a paz para todos os seres vivos.

A ideia é, em breve, traduzir também o segundo episódio para o Inglês e o primeiro episódio para outros idiomas. Lembrando que o segundo episódio ainda é desconhecido do grande público. Nele, Solua encontra-se com alguns animais como a vaquinha Zuleite, O porquinho Oinc Oinc e a galinha Gigi e, entre muitas aventuras, eles contam como se sentem sendo usados como alimentos dos humanos. Há também uma cena tocante quando Solua encontra um peixinho à procura de sua mãe e precisa contar a ele que ela foi “pescada” pelos humanos e ele agora é um órfão.

Os textos são de autoria de Lou de Olivier e a revisão na tradução é de Erasmo de Oliveira.

Adquira o e-book em Inglês, clicando aqui

Adquira o e-book em Português, clicando aqui

Saiba mais detalhes no site oficial: http://soluavampirinhovegano.com.br

Neste site também é possível assistir quatro episódios em desenho animado (animação 3D), vídeos de apresentações teatrais e muitas novidades.

%d blogueiros gostam disto: