Archive

Posts Tagged ‘Multiterapia’

Dislexia, novo artigo de Lou de Olivier

30 de março de 2017 2 comentários


A Revista Psique número 133 (Cento e trinta e três)  publicou um especial sobre Dislexia contendo dez paginas, sendo que seis dessas páginas são assinadas por Lou de Olivier.  À Lou de Olivier coube a abordagem “Desvendando mitos sobre Dislexia” mostrando inclusive distúrbios que são confundidos com Dislexia como é o caso da Síndrome de Irlen e pode ser lido nas paginas 74 a 79. 

No especial são abordadas outras visões da Dislexia, porém chamamos a atenção do leitor para o fato de haver discordâncias já que são entendimentos diferentes da Dislexia. Como  Lou  de Olivier, além de pesquisadora, é também portadora de Dislexia Adquirida, tem um entendimento mais detalhado/diferenciado do distúrbio.

Houve também um pequeno erro na bibliografia que citou o e-book “Dislexia sem rodeios” de forma abreviada mas informamos que os interessados neste e-book podem acessar a loja virtual http://loudeolivier.com.br/ Há também indicação de dois livros “Distúrbios de Aprendizagem e de comportamento”  e “Transtornos de Comportamento e Distúrbios de Aprendizagem”, clique aqui ambos de autoria de Lou de Olivier e editados por WAK Editora. Conheça estes livros, clicando aqui

Confira a capa desta edição e peça no seu jornaleiro ou acesse aqui

Acesse o site oficial da Dislexia Adquirida, clique aqui

Newsletter março 2017

16 de março de 2017 Deixe um comentário

Entrevista: Entrevista (em vídeo) exclusiva de Lou de Olivier concedida ao programa TV Embelezar abordando Multiterapia, técnica terapêutica desenvolvida por ela desde a década de 80 e aprimorada até hoje.

Saiba mais, clique aqui

Artigo Bullying (incluindo três vídeos): Liberado artigo antigo, mas ainda atual sobre bullying sofrido por pessoas com alguma deficiência física ou intelectual e como proceder nesses casos. O artigo original foi publicado pela Revista Sentidos – Edição 73. Leia-o, clicando aqui 

 

Curso Multiterapia: Vem ai uma nova e especial turma de Multiterapia, a novidade é que, agora o curso está reformulado e os dois primeiros módulos podem ser cursados por qualquer pessoa que queira se autoconhecer e viver em plenitude. O terceiro módulo é reservado aos profissionais de terapia que querem atender seus pacientes com a técnica de Lou de Olivier. Interessados, cliquem aqui e nos contatem  solicitando mais detalhes.

Artigo completo mitos sobre Dislexia (incluindo três vídeos). Vale a pena ler e ver (ou rever) estes vídeos.  Clique aqui

Saiba mais sobre Multiterapia: http://multiterapia.med.br/

Saiba mais sobre Dislexia Adquirida: http://dislexiaadquirida.com/

Lou de Olivier em entrevista exclusiva TV Embelezar

15 de março de 2017 Deixe um comentário
Entrevista de Lou de Olivier para TV Embelezar abordando Multiterapia em
tratamentos de Distúrbios de Aprendizagem e/ou comportamento, diferença
entre Multiterapia e Multidisciplinar e outros temas correlatos.
Confira! Dúvidas ou comentários, contate-nos, clique aqui

TV Embelezar – 2017-03-15 – Lou de Olivier from TV Embelezar on Vimeo.

Bullying, nem o básico se sabe (artigo publicado pela Revista Sentidos)

3 de março de 2017 Deixe um comentário

Especialista dá dicas e informações que uma escola deve seguir e conhecer. Atenção aos cuidados que pais e educadores devem ter .

Por Lou de Olivier / Fotos: Shutterstock (ao final, são mostrados vídeos complementares)
bullying_sentidos
Bullying é um termo inglês derivado de bully, que significa algo como “valentão” e define todas as formas de agressões físicas ou psicológicas praticadas de forma contínua e intencional. Estas acontecem, aparentemente, sem motivação e, geralmente, são praticadas por um grupo de “valentões”. Também pode ser praticada por apenas um indivíduo, mas é menos comum. Esse ato de violência acaba por intimidar, além de, em alguns casos, machucar a vítima que geralmente está em situação de desigualdade, sem poder reagir.
No caso específico de deficiência física/intelectual na escola, temos basicamente duas formas de analisar. Primeiramente pelo tipo da instituição – se só recebe alunos com deficiência, esses casos de bullying se tornam mais raros, pois todos os alunos estão no mesmo nível de necessidade. Mesmo variando suas deficiências, estarão sempre em igualdade. O problema principal aparece quando a escola é mista, ou seja, quando uma escola aceita alguns alunos com deficiência em meio aos outros considerados “normais”.

Pessoas com deficiência e a educação pública*
Há 280 mil alunos com deficiência matriculados em escolas especiais de 1ª a 8ª séries.
Há outros 300 mil em classes regulares nessas mesmas séries.
Apenas 9 mil alunos conseguiram chegar ao ensino médio.
Há 18.200 escolas públicas para alunos portadores de necessidades especiais no país.
Somente 120 títulos didáticos têm versão em braile, segundo informações do MEC (Ministério da Educação e Cultura). Segundo o último resumo técnico do Censo Escolar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), em 2011, quase 80% do total de matrículas da Educação Especial estava nas escolas públicas, o restante, quase 20%, estava nas instituições particulares de ensino.
*Segundo o Instituto Ethos (2002)

bullying-sentidos02Vídeos lúdicos e informativos podem
ser exibidos a alunos e familiares
como educação para a prevenção

Neste segundo caso (ou havendo algum episódio de bullying, mesmo sendo uma escola especializada), há uma grande necessidade de a escola, os professores e os pais interagirem de várias formas. Cabe também aos pais, levando em conta suas posses, tipo de deficiência apresentada pelo filho (a), e outros detalhes, pesquisar bem várias escolas antes matricular seu filho (a). Após definida a escola, ao chegar para o primeiro dia de aula, deve-se ter uma atitude cordial com todos, apresentar-se com educação e de forma amistosa.
É preciso mostrar a todos os alunos as qualidades de cada um, de forma educada e incentivadora

Em se tratando de alunos com deficiência, caberá aos professores, coordenadores e outros responsáveis pela escola incentivar apresentações entre os alunos. Caso haja atritos, providências devem ser tomadas imediatamente. Ou com os causadores se desculpando ou, em caso de agressões, denunciando-os aos responsáveis e resolvendo tudo no início, pois, quanto mais o tempo passar, mais as agressões se tornarão frequentes e mais violentas ficarão, cada vez mais difíceis de controlar.

COMO IDENTIFICAR
Para saber se a criança sofre bullying na escola, os pais devem ficar atentos aos sinais da criança em relação a escola. Crianças que alegam dores ou qualquer motivo para justificar não ir à escola podem estar sendo vítimas de bullying. Da mesma forma, crianças que apareçam com alguma marca, arranhões, mordidas, enfim, qualquer sinal que possa sugerir agressões físicas devem ser investigados.

COMO AMENIZAR/EVITAR
Conversar abertamente sobre o assunto com os alunos e pais procurando integrar os alunos com deficiência aos outros; exibir vídeos sobre o assunto. Mostrar a todos os alunos as qualidades de cada um, de forma educada e incentivadora, para que todos entendam que têm qualidades e podem usá-las de forma produtiva e, assim, superando suas possíveis falhas e limitações. Também é aconselhável, ao conversar com os alunos, explicar que não podemos considerar alguém diferente ou “defeituoso” só por apresentar algum tipo de deficiência. Na verdade somos todos diferentes uns dos outros, isso compõe nossa característica particular e nos torna únicos. E se um ou vários coleguinhas apresentam deficiência, é uma ótima oportunidade de demonstrarmos nossa solidariedade, ajudando-o em suas dificuldades e nunca zombando ou tratando-o mal.
De acordo com o tipo de deficiência, deve-se proceder de forma a solucionar os pontos fracos, ou seja, alunos que apresentam problemas no aprendizado podem ser incentivados a ter aulas particulares ou de reforço, que pode ser na própria escola, além de um atendimento psicopedagógico. Casos de deficiência auditiva ou de fala também precisam de acompanhamento, neste caso, de um fonoaudiólogo. Um pouco mais raros, mas também possíveis, são os desvios de conduta, além de traumas e outras ocorrências que precisam ser atendidas por um psicólogo.

Deficiências intelectuais ou doenças mentais precisam do acompanhamento de um psiquiatra ou neurologista e outras deficiências físicas também necessitam de um acompanhamento medico de acordo com cada necessidade.
A escola ideal deve oferecer, no mínimo, os serviços de um Psicopedagogo para atender casos de problemas/distúrbios de aprendizagem, de um Psicólogo para os traumas, desvios de conduta etc. E de um Fonoaudiólogo para casos que envolvam fala/audição. Estes serviços podem ser executados na própria escola ou através de convênios firmados entre os profissionais e a escola. Aqui estamos citando escolas particulares que absorvem alunos com maior poder aquisitivo. No caso de alunos com menor poder aquisitivo cujos pais não têm condições de arcar com as despesas de uma escola particular poderão procurar os serviços públicos oferecidos por intermédio das secretarias municipais. O interessante é a escola pública estar preparada para sugerir os encaminhamentos e saber, de antemão, quais são os canais mais próximos de atendimento.
O bullying ocorre sempre quando não há nenhuma fiscalização de adultos ou responsáveis.

Outro detalhe importante, o bullying ocorre sempre quando não há nenhuma fiscalização de adultos ou responsáveis. Portanto, outro fator importante: deve haver mais fiscalização e profissionais especializados para conduzir os alunos durante os intervalos e mesmo durante as aulas. E é bom saber, também, que a escola pode ser enquadrada no Código de Defesa do Consumidor, pois presta serviço aos consumidores e é responsável por todos os acontecimentos dentro de suas dependências – isso inclui bullying. Mas deve-se lembrar que, ocorrendo fora dos portões da escola, torna-se difícil enquadrá-la, já que foge do local interno. Importante também saber que tanto agressores quanto agredidos necessitam de muito diálogo e acompanhamento terapêutico para solucionar seus traumas e conflitos.

Quanto aos deveres dos Governos
Atribuam a mais alta prioridade política e financeira ao aprimoramento de seus sistemas educacionais no sentido de se tornarem aptos a incluírem todas as crianças, independentemente de suas diferenças ou dificuldades individuais.
Adotem o princípio de educação inclusiva em forma de lei ou de política, matriculando todas as crianças em escolas regulares, a menos que existam fortes razões para agir de outra forma. Desenvolvam projetos de demonstração e encorajem intercâmbios em países que possuam experiências de escolarização inclusiva. Estabeleçam mecanismos participatórios e descentralizados para planejamento, revisão e avaliação de provisão educacional para crianças e adultos com necessidades educacionais especiais. Encorajem e facilitem a participação de pais, comunidades e organizações de pessoas portadoras de deficiências nos processos de planejamento e tomada de decisão concernentes à provisão de serviços para necessidades educacionais especiais. Invistam maiores esforços em estratégias de identificação e intervenção precoces, bem como nos aspectos vocacionais da educação inclusiva.
Garantam que, no contexto de uma mudança sistêmica, programas de treinamento de professores, tanto em serviço como durante a formação, incluam a provisão de educação especial dentro das escolas inclusivas.

 

Assista aos vídeos sobre bullying em entrevista concedida ao Programa Análise Direta em três partes.


SERVIÇO
Assista vídeos sobre bullying e assuntos terapêuticos em:
http://www.loudeolivier.com/videos-entrevistas.php
Leia dados publicados na íntegra em:
Atenção: Este link estava ativo na publicação deste artigo. Hoje, em 2017, na republicação está fora do ar: http://www.ethos.org.br/_uniethos/documents/ manual_pessoas_deficientes.pdf http://portal. mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf 
http://institutoparadigma.org.br 
Livros:
Lou de Olivier é psicóloga, psicopedagoga, psicoterapeuta, especialista em Medicina Comportamental e escreveu os livros “Distúrbios familiares” e “Distúrbios de aprendizagem e de comportamento”, ambos da Editora WAK, indicados como material complementar a este artigo.

Os gatos e o Autismo – Ótimo artigo sobre o tema.

20 de janeiro de 2017 Deixe um comentário

Este artigo traz informação a respeito da semelhança e identificação das crianças autistas com os gatos e vice-versa. E explica em linguagem simples como funciona esta identificação. no mesmo artigo,ao final,, são indicadas leituras complementares Vale a pena conferir acessando este link:  http://multiterapia.loudeolivier.com/Gatos-e-o-Autismo.php

Como aumentar os seios e a autoestima

1 de janeiro de 2017 Deixe um comentário

Este artigo foi escrito em 2010, mas o tema ainda é atual e aborda: Caralluma, Commipheroline, fitoestrogenos, Vitaform, Pueraria Mirifica, aumento de seios e, acima de tudo, aumento de autoestima…

Como aumentar os seios (e a autoestima)

Em 2002 passei por uma cirurgia que deveria ser simples mas teve complicações e me fez perder oito quilos de massa muscular. Com isso notei que fiquei com um seio menor que o outro. É uma pequena diferença que nem os médicos que consultei dizem notar (ou importar) mas, para mim, passou a ser motivo de pesquisa (e uso) de todas as novidades anunciadas como eficientes no aumento dos seios.

Foi assim que, depois de experimentar inúmeros recursos, resolvi escrever este artigo. Para anunciar os resultados mas também para relatar fatores muito relevantes que não levamos em conta quando estamos desesperadas em busca de uma melhor aparência.

Iniciei o “tratamento” por via oral, já que é a forma mais acertada (e rápida) de se conseguir efeitos sobre o organismo. Foi quando verifiquei os fitoestrógenos. E percebi que a soja é uma boa fonte deles.

Desandei a ingerir soja em leites e outros alimentos e também em comprimidos, mas depois de muitos meses sem nenhum resultado, comecei a questionar, se a soja realmente tivesse influência no aumento das mamas, as orientais (que as ingerem diariamente) seriam todas “peitudas” e a grande maioria das mulheres orientais tem seios pequenos…

Além disso, pesquisando mais a fundo, descobri alguns inconvenientes da soja ingerida em grande quantidade. A soja contem fitoestrógenos (isoflavonas também chamadas isoflavonóides), que são estrutural e funcionalmente similares ao estradiol (MACKEY & ÉDEN, 1998). A variação estrutural química das isoflavonas é numerosa, e somente a soja contém 3 tipos de isoflavonas com 4 formas isoméricas, totalizando 12 diferentes tipos desse composto. As formas que têm recebido maior atenção nas pesquisas e que têm se mostrado mais ativas no corpo humano são a daidzeína, genisteína e gliciteína (DEWICK, 1994; KANAOKA, 1998; CHANG, 2002 ). Em pesquisas descobriu-se que os japoneses, que comem grandes quantidades de soja têm baixos índices de câncer de seio, útero, cólon e próstata. A partir daí anunciou-se que a soja é um alimento saudável e deve ser ingerido com frequência. Porém um estudo de 2000 mostrou que um homem japonês típico ingere cerca de 8g (duas colheres de sopa) por dia, enquanto que os ocidentais que descobriram o valor da soja acabam consumindo em media 220 g (equivale a um pedaço de tofu e dois copos de leite de soja por dia).

Disso tudo o que precisamos entender é que, segundo estudos. a genisteína e daidzeína contidas na soja estimulam e bloqueiam o hormônio estrógeno, tornando-o um desregulador endócrino natural, isso porque causa efeitos adversos sobre a saúde num organismo intacto. São anunciados outros “efeitos colaterais” no uso exagerado da soja e que não incluirei aqui para não estender demais o assunto, porém um eu preciso citar. Segundo pesquisa realizada no Japão em 1991 mostrou-se que 30g de soja por dia resultam num grande aumento de hormônio estimulante da tireoide. Fitoestrógenos na soja são potentes agentes anti tireoides que causam hipotireoidismo/bócio/câncer da tireoide, entre outros.

Diante dessas descobertas, achei que seria arriscar muito insistir na ingestão da soja, então eu descobri algo que anunciava uma grande eficiência para aumento o busto, os glúteos e ainda fortalecer e escurecer os cabelos. Isso parecia fantástico e merecia ser experimentado já que, apesar de conter os mesmos fitoestrógenos anunciados na soja, eles estavam em quantidades enormes e, realmente, provocavam rápido resultado. Havia o risco de ingestão de fitoestrógenos em excesso mas, se dava tão bons resultados, valeria a pena arriscar…

Imediatamente liguei para minha farmacêutica de confiança e pedi que me fizesse a fórmula mas ela nunca tinha ouvido falar desta tal “Pueraria mirifica”. Confesso que fiquei decepcionada e chateada com a desinformação dela. Como podia ser tão alienada? Como podia desconhecer um produto anunciado como sendo consumido há mais de 280 anos na Tailândia e já tendo sido aprovado em países como Japão, Austrália e Alemanha, entre outros?

Fiz uma busca na Internet e encontrei uma empresa que vendia essas pílulas milagrosas. Fiz o pedido e comecei a esperar a entrega. Ainda estou esperando, mas como só se passaram três anos do meu pedido, creio que ainda chegue um dia… Afinal, a Tailândia é um pouco longe do Brasil onde moro atualmente e demora mesmo… O site saiu do ar e eu não sei onde localizar os “fabricantes” do “comprimido milagroso”.

Mas continuando minha busca por um seio maior, descobri um creme que aumentava os seios em até dois números. Mas que ótimo, creme seria o ideal, já que eu não queria aumentar os dois seios, eu só queria igualar o menor ao maior e viver feliz para sempre.

Esse foi fácil de encontrar, já tinha até pronto e eu ganhei um desconto para o primeiro pedido (porque a moça da farmácia de manipulação disse que eu amaria o produto e ficaria freguesa). Esse chegou rapidamente, em dois dias eu já estava com o creme em mãos. Um cheiro delicioso, nossa, que perfume! Eu passava o creme três vezes por dia e amava o cheiro que ele exalava. A base dele? Commipheroline. A promessa? Aumentar os seios…

Como já disse foi ótimo como perfume, mas como fator de aumento do seio… Também tomei uns comprimidos a base de ervas naturais que não aumentaram os seios mas aumentaram o meu mioma que estava quietinho (estacionado) e, depois do consumo das pílulas reiniciou processo de crescimento…

Foi nesta época que eu mergulhei de cabeça num relacionamento. O cara não comentou nada sobre a diferença no tamanho dos meus seios e eu fiquei bem quietinha. Se ele não notou, não seria eu a apontar meu “defeito“. Passei a me alimentar melhor em horários regulares, a me sentir amada… Acabei até engordando uns quilos a mais do que o ideal. E sabem o que aconteceu? Meus seios começaram a parecer mais iguais em tamanho…

Ta certo que fiquei meio barrigudinha, afinal, engordei o corpo todo mas ao menos, a diferença no tamanho dos seios parou de me incomodar…

Dois anos depois, sozinha novamente, aqui estou eu na internet procurando outro “milagre” para igualar meus seios pois eles parecem (de novo) desiguais… E agora o problema parece pior pois estou com barriguinha saliente também…

Mas isso não é problema já que, para a barriga saliente, já descobriram Caralluma Fimbriata e para os seios aumentarem consideravelmente já chegou ao Brasil a grande descoberta Voluform..

Eu já estava quase fazendo o pedido quando um pensamento invadiu minha mente: Que raio de Psicoterapeuta sou eu? Como conserto rapidamente a vida de todas as mulheres que me procuram com seus traumas, distúrbios, problemas bem mais sérios e reais que os meus e não conserto minha vida?

Não há nada de errado com meus seios, nem com meu abdômen, eu só preciso me aceitar e me amar mais. Assim como a maioria das mulheres só precisam ter mais amor e aceitação pelo seu corpo como um todo e não com uma parte que está maior ou menor em relação aos padrões que se estipulou como sendo “ideais”.

Mas o que é ideal? Ser magra como as manequins que, ao desfilarem pelas passarelas, parecem que terão suas pernas quebradas a qualquer momento de tão finas e equilibradas em saltos imensos? Ter abdômen de tanquinho? Mas você usa o abdômen para lavar roupas? E o bumbum durinho, empinadinho e …

Devemos sim nos preocupar com a boa aparência, isso nos ajuda a ter mais auto-estima e até a produzirmos mais e melhor em todos os sentidos. Mas nunca transformar um padrão anunciado como “ideal” no nosso ideal de vida. É possível ser bela e muito amada tendo uns quilinhos a mais ou a menos, uns defeitinhos que, na maioria das vezes, só nós notamos.

O que importa é sermos seguras, autoconfiantes e sabermos que somos um todo, um corpo integrado a uma mente, temos alma e coração. Somos mulheres por inteiro. E as pessoas vão nos amar (ou não) pelo que somos inteiras e não por uma ou outra parte de nosso corpo. Isso é ter autoestima. E ter autoestima não tem preço…

By Lou de Olivier

Saiba mais sobre temas terapêuticos, acessando: http://multiterapia.med.br/

Leia sobre temas terapêuticos e outros diversos temas publicados em formato e-book e também em livros impressos, acessando: http://loudeolivier.com.br/ 

Saiba mais sobre autoestima, assista estes vídeos – Parte 1

Parte 2

Parte 3

Dislexia Adquirida é destaque mundial

12 de setembro de 2016 Deixe um comentário

DISLEXIA ADQUIRIDA E MULTITERAPIA SÃO DESTAQUES MUNDIAIS

Buscando novas tendências e estratégias de tratamentos psicológicos, acontecerá nos dias 10 a 12 de outubro de 2016, o 1º Congresso Mundial de Psicólogos Clínicos Globais – Reunião Anual em Kuala Lumpur, na Malásia. Lou de Olivier será uma das palestrantes neste importante congresso abordando seus dois principais temas de pesquisa: Dislexia Adquirida (Acquired Dyslexia) e Multiterapia (Multi Therapy) Confira!

 

12/09/2016

O campo da Psicologia Clínica tem contribuído para o desenvolvimento de diferentes campos da Ciência e da Tecnologia, melhorando assim a qualidade da vida humana. As diferentes descobertas e invenções que conduzem ao desenvolvimento de várias aplicações e estratégias de tratamento tornam isso possível e aplicável.

Com o tema “As tendências, tecnologias e estratégias de tratamento em Psicologia Clínica” acontecerá o 1º Congresso Mundial de psicólogos clínicos globais – Reunião Anual em Kuala Lumpur, na Malásia, nos dias 10 a 12 outubro de 2016.

Lou de Olivier será uma das palestrantes neste importante congresso. E ela abordará seus dois principais temas de pesquisa que são: Dislexia Adquirida (Acquired Dyslexia) e Multiterapia (Multi Therapy).

Há muitos anos Lou de Olivier vem se destacando em suas pesquisas e atuações, insistindo em comprovações e inovações que ela traz sobre a aquisição de um distúrbio por ausência ou diminuição de oxigenação cerebral (anoxia/hipoxia) e sua inovadora técnica de tratamento em Multiterapia. Suas pesquisas e publicações lhe proporcionaram destaque internacional, inclusive com os prêmios Lancaster House Award como Pesquisadora e Award Echo of Literature como Escritora ambos na Inglaterra nos anos 2000/2001. E, em 2010/2011 o Distúrbio da Dislexia Adquirida foi indexado oficialmente nos Descritores de Saúde, em Inglês, Português e Espanhol.

National Library of Medicine – Medical Subject Headings cita “A afasia visual/receptiva caracterizada pela perda de uma capacidade anteriormente possuída para compreender o sentido ou significado de palavras manuscritas, apesar da visão intacta. Esta condição pode estar associada com infarto cerebral posterior da artéria (infarto, artéria cerebral posterior) e outras doenças cerebrais”. Sem dúvida este já é um grande avanço diante do que se publicava na década de 70 quando Lou de Olivier iniciou suas pesquisas, época em que, comprovadamente, se estudava a “Cegueira Verbal” como algo hereditário/genético, sem sequer admitir a hipótese de uma “aquisição de distúrbio por acidente”. Afirmação esta que Lou de Olivier já fazia, baseando-se em sua experiência pessoal e suas pesquisas. E, exceto na Alemanha, que já utilizava este termo “Dislexia”, em outros países este termo era desconhecido.

Então, sem dúvida, esta oficialização em 2010/2011 já tem sido um grande salto nas pesquisas da Dislexia Adquirida porém, para Lou de Olivier, ainda está incompleta a definição. Lou continua defendendo a tese da Dislexia (e outros distúrbios) adquirida por anoxia/hipóxia especialmente perinatal/neonatal, já que a oficialização veio apenas para a Dislexia Adquirida por AVC e outros acidentes cerebrais não identificados.

Tão importante quanto a tese da Dislexia Adquirida é a implantação do Método de Multiterapia desenvolvido por Lou de Olivier que trata diversos distúrbios de forma ampla, diversificada e artesanal, tornando o tratamento mais eficaz e rápido.

Estes importantes temas defendidos por Lou de Olivier estarão integrados a outros temas de outros pesquisadores do mundo todo e, certamente, contribuirão para uma grande oportunidade de conhecimento, implantação de novas ideias dentro das diversas áreas da Psicologia Clínica.

O evento ocorrerá em Kuala Lumpur, na Malásia. E é organizado por Conference Series e suas subsidiárias, incluindo iMedPub LLC and Conference Series Ltd com o apoio de mais de 1000 sociedades científicas e publica mais de 700 revistas/jornais de acesso aberto, que contém mais de 50000 eminentes personalidades, cientistas de renome como membros do conselho editorial.

Em breve mais informações sobre este importante evento científico que promete inovar e redimensionar a Psicologia Clínica em nível mundial.

Lou de Olivier é Multiterapeuta, Psicopedagoga, Psicoterapeuta, Especialista em Medicina Comportamental, Bacharel em Artes Cênicas e Artes
Visuais. Detectora do Distúrbio da Dislexia Adquirida/ Acquired Dyslexia, Precursora da Multiterapia e Criadora do Método Terapia do Equilíbrio Total/Universal.

Informações complementares sobre Lou de Olivier acesse: (site em Português e Inglês) http://loudeolivier.com/

sobre o congresso acesse: (site somente em Inglês) http://annualmeeting.conferenceseries.com/clinicalpsychologists/

%d blogueiros gostam disto: